Somos responsáveis pela saúde da humanidade

O importante é ter saúde

Mas qual o significado desta palavra tão cultuada nos nossos dias? O ser humano visto na sua integralidade abrangendo todas as dimensões e a sua integração com o espaço em que está inserido reafirmam a complexidade e a inteireza da natureza humana.

Praticar exercícios, manter uma dieta saudável, ingerir líquidos, terapias alternativas, exercitar ou acalmar a mente, manter o ambiente ao seu redor limpo e arejado, e para complicar um pouco mais está envolvido também a interação do ser com o meio ambiente, mas o importante não é só ter saúde?

 

A importância da alimentação

Alimentação saudável é o combustível para toda a estrutura que nos sustenta enquanto seres vivos. Houve uma mudança drástica nos hábitos alimentares, saímos de uma produção artesanal, em que se plantava e colhia para a subsistência da família, para uma produção em série, com produtos industrializados.

Ser cauteloso no momento da escolha de seus alimentos é também um investimento em sua saúde, pois os alimentos podem servir como defesa para o seu organismo, são conhecidos como alimentos que blindam.

 

A linguagem universal

Pela sua complexidade o ser humano demonstra a evolução que sofreu aos longos dos anos. A ciência nos diz que o individuo resulta do seu código genético, uma rede emaranhada cuja linguagem é universal, mas como seres dependentes precisamos dos outros para nos desenvolver, aprender a caminhar, a falar e a nos alimentar.

Portanto o homem é produto de suas interações, de seus modelos e de suas escolhas, estamos sempre a buscar novas fontes de desejos e realizações e entre elas está no topo da lista à saúde.

 

O individuo dito humano

A equação proposta aqui é: ser humano x meio ambiente e o resultado é = doença. O homem sempre utilizou os recursos naturais para o desenvolvimento econômico e com a pretensão de tentar garantir uma qualidade de vida melhor.

Mas a inversão está sendo desproporcional, desenvolvimento insustentável, progresso desenfreado, exaustão dos recursos naturais, poluição, alimentos contaminados. Estamos preocupados com a qualidade de vida, mas esquecemos de que somos como as aranhas tecendo e construindo inter-relações num emaranhado que está interligado, portanto somos todos responsáveis pela saúde da humanidade.

O ser saudável precisa estar ciente desta interação, o importante é sim ter saúde, mas isto só será possível no momento que decidirmos construir uma vida saudável dentro e fora de nós.

Os alimentos que contêm uma quantidade extensa de açúcar

açucar

Açúcar está presente em vários alimentos, por isso vai torná-los mais saborosos. Um dos exemplos que vou mencionar: Ketchup que tem uma quantidade de açúcar, que é possível causar ganho de peso e também desenvolver diabetes.

Muitos produtos alimentares contêm uma quantidade muito extensa de açúcar e também nem sequer perceber quanta açúcar esses produtos têm. Vou citar vários exemplos de produtos e da quantidade de açúcar de cada um deles.

  1. Refrigerantes

A soda tem uma enorme quantidade de açúcar, o ideal é trocar esta bebida por um suco natural, que além de ser rico em vitamina o próprio fruto já contém açúcar. Uma lata de refrigerante contém 7 pequenos pacotes de açúcar.

  1. Chocolate

Os chocolates são ricos em açúcar, especialmente chocolate branco; O ideal é comer o chocolate amargo que contém 60% de cacau. Um quadrado de chocolate (comprimido) contém 3 pequenos pacotes de açúcar.

  1. Leite condensado

O leite condensado é feito a partir de leite e açúcar, por isso é melhor evitá-lo usando apenas na receita, mas preferencialmente usando leite condensado leve; Mas mesmo a versão leve também é doce. Apenas 3 colheres de sopa de leite condensado, contém 5 pacotes de açúcar.

4.Creme de avelã

O creme de avelã tem o açúcar ingrediente principal, por isso a melhor opção é escolher pates caseiros ou geleias de frutas. Só para você perceber que apenas 2 colheres de creme de avelã contém 5 pacotes de açúcar.

  1. Iogurte

Para fazer o iogurte mais saboroso, a indústria acrescenta açúcar como um dos ingredientes de iogurte, é aconselhável comprar iogurte leve, que contém leite natural ou açúcar natural. Um pequeno pote de iogurte contém 2 pequenos pacotes de açúcar.

  1. Ketchup

Ketchup é rico em açúcar, o ideal é usar molho de tomate que contém antioxidantes que previne doenças como o câncer. Para obter uma ideia 4 colheres de sopa de ketchup, contém 4 pacotes de açúcar.

  1. Biscoito recheado

Além disso, contém muito açúcar, também tem gordura saturada que aumenta o risco de colesterol ruim. A melhor opção é comer biscoitos salgados, de preferência inteiros. Cinco biscoitos cheios contêm 4 pacotes de açúcar.

  1. Cereais

Cereais, especialmente aqueles com chocolate ou com enchimento no interior são muito doce, por isso a melhor opção é o cereal de milho ou versões leves. Um copo do cereal, contem 3 pacotes pequenos do açúcar.

  1. Chocolate

Para ter uma ideia cada colher de chá contém 10 gramas de açúcar, o ideal é escolher as versões de luz que, além de ser saboroso, contém vitaminas e minerais. Duas colheres de chocolate, contém 4 pacotes de açúcar.

  1. Gelatina

O principal ingrediente da gelatina é o açúcar, então a melhor opção é escolher a dieta ou versão zero. Seis colheres de gelatina contém 7 pequenos pacotes de açúcar.

Assim como você pode observar, existem várias mercearias que contêm uma quantidade muito extensa de açúcar, de preferência escolher natural, dieta, light ou zero suprimentos de açúcar para evitar doenças como: diabetes entre outros.

Saiba mais.

 

Eduardo Sirotsky Melzer, um empreendedor atento aos momentos

inadiável no mundo corporativo. Desenvolvimento humano e gerencial, marketing digital, relações internacionais, liderança de carreiras de sucesso e diferenciais competitivos são apenas alguns dos conteúdos que entram em pauta.

Muitas análises apontam que para enfrentar os enormes desafios deste cenário são requeridos perfis de empresários que aliem uma leitura apurada de oportunidades, otimização no uso das tecnologias disponíveis, valorização do capital humano e destemor frente aos riscos.

Realizar esta combinatória requer sensibilidade, coragem, olhar lançado ao horizonte e adoção de medidas que, via de regra, mexem com a dinâmica interna e as relações externas de qualquer empresa ou corporação, visando seu reposicionamento estratégico para superação dos impasses vividos pelo mercado. Em tempos delicados, é preciso rearticular as partes para movimentar o todo.

No Brasil há vários executivos vêm desenvolvendo tais qualidades e um dos nomes é Eduardo Sirotsky Melzer, que vem construindo uma trajetória pautada numa diversidade de experiências empresariais que lhe conferem um olhar diferenciado para o enfrentamento deste cenário.

Com uma sólida formação acadêmica em Administração pela PUC-RS e MBA no maior centro de referência de pós-graduação do mundo em administração, pertencente à renomada Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, o empresário e comunicador Eduardo Sirotsky Melzer reúne experiências profissionais no Brasil e no exterior. Foi analista financeiro sênior da Delphi e diretor-geral da BoxTop Media, uma empresa de mídia não-tradicional

Além do cargo de Presidente do Grupo RBS, um conglomerado de mídia em jornalismo e entretenimento com mais de 50 anos de história, o empresário agrega ao currículo participação como conselheiro da Bienal do Mercosul, da Fundação Iberê Camargo, da e.Bricks Digital e da Wine.com.br.

Eduardo Sirotsky Melzer imprime sua marca como executivo movido a desafios, cuja visão tem um especial foco na implantação e aprimoramento de ferramentas de gestão de pessoas e desenvolvimento tecnológico, dois eixos de extrema relevância, sobretudo quando se trata de um campo estratégico pelo seu poder que encerra: o das comunicações.

É também detentor de vários prêmios em reconhecimento ao notável desempenho em funções que exerceu. Sem citar premiações anteriores, a partir de 2013 Eduardo Sirotsky Melzer reúne títulos de Empresário de Comunicação do Ano da Semana ARP de Comunicação; Mérito em Administração, no setor Privado; destaque entre líderes do Cambridge Institute for Family Enterprise, e Empreendedor do Ano (Ernst e Young), na categoria Family Business.

Outra qualidade positiva e necessária é seu interesse pela escuta e a troca com outras experiências do mundo corporativo. Não foi por acaso que já participou de eventos de peso como o Zeitgeist, do Google, e Sun Valley, da Allen&Co, além de estar sempre se atualizando, tendo por referência influentes pensadores do mundo dos negócios como Jim Collins e Ram Charan.

A urgente necessidade de retomada do crescimento no país e o interesse dos investidores estrangeiros são dois componentes da atual conjuntura que dobram a exigência por profissionais com a expertise de executivos do porte de Eduardo Sirotsky Melzer.

 

Síndrome Vaso Vagal: Conheça a doença que atinge muitas pessoas, mas poucas conhecem

 

Já ficou horas em uma fila e de repente começou a se sentir zonza ou com tontura, a visão turva e você do nada desmaia?

Muito provavelmente você nunca ouviu este nome, mas estes sintomas, na maioria das vezes, pertencem a uma doença chamada Síndrome do Vaso Vagal, que atinge grande parte da população. Síndrome Vaso Vagal nada mais é do que uma sincope ( um desmaio) em que o sangue se acumula na panturrilha e o cérebro compreende que precisa comprimir os vasos sanguíneos, para que o sangue suba para o cérebro, dessa forma, e assim o coração faz uma força enorme para f isso e a pessoa acaba desmaiando.

Os principais gatilhos para a doença se manifestar são: permanecer horas em pé, ambientes abafados, ficar muito tempo sem comer, estados de ansiedade ou fortes emoções. E caso a pessoa tenha um dieta com pouco sal, ou não retenha sal em seu organismo ela pode perder os sentidos.

O principal sinal da doença então é a sincope, mas a diferença com os desmaios “normais” é que o portador da sincope sabe o momento que vai desmaiar, pois sente os sintomas que antecedem isso: fraqueza, transpiração intensa, palidez, calor intenso, náusea, visão turva, dor de cabeça ou palpitações. Ao sentir estes sintomas é necessário que a pessoa se deite com as pernas para cima ou sente-se e abrace os joelhos com força ou então abra e feche a mão, repetidas vezes para que o sangue volte a circular por todo o corpo e a pessoa volte a se sentir bem.

Caso isso aconteça mais de uma vez é necessário procurar um médico, de preferência um cardiologista ou um neurologista, que tem maior conhecimento sobre o assunto, já que a grande maioria da população e muitos médicos desconhecem o Vaso Vagal e o relacionam com pressão baixa ou outras doenças como crises convulsivas.

Em suspeitando da doença o médico solicitará será submetido exames para confirmar ou não a Síndrome. O principal exame é o Tilt – Test, em que o paciente permanece com monitoramento cardíaco e de pressão arterial, em posições que variam de deitado até de pé e sendo exposto a fatores que normalmente o fariam desmaiar.

Para se evitar ou minimizar os desmaios é essencial uma mudança comportamental que vai desde o aumento de sal nas refeições até a prática de exercícios. O uso de remédios pode ser indicado para regular a pressão sanguínea, devidamente sob prescrição e acompanhamento médico, uma vez que mal administrado o medicamento pode se tornar um gatilho para a crise.

Afim de tentar evitar que a pressão caia muito rápido e repentinamente é recomendado que a pessoa movimente as pernas e os músculos para não deixar que o sangue se acumule nos membros inferiores. O aumento na ingestão de sal e de líquidos auxilia na aceleração da circulação no organismo.

A vida segue normal e a pessoa deve seguir as recomendações médicas e respeitar seus limites para evitar ferimentos nas quedas.

 

Duda Melzer, o empresário que trouxe inovação para o Grupo RBS

Empresário bem-sucedido e muito importante para o mundo dos negócios, Duda Melzer, é chairman e presidente do Grupo RBS. Além disso, é chairman e fundador do e.Bricks Digital, e sócio do e.Bricks Ventures, empresas que atuam com investimentos no setor digital no Brasil e nos Estados Unidos.

 

Eduardo Sirotsky Melzer, nasceu na cidade de Porto Alegre, no dia 13 de maio de 1972. Formou-se em Administração de Empresas pela PUCRS – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul no ano de 1998. Após o curso, ele fez MBA na Universidade de Harvard e cursou também mais dois outros cursos na Harvard Business, nos Estados Unidos. Sua carreira teve início no Brasil, onde atuou no mercado financeiro e no franchising, alcançando na multinacional Sweet Sweet Way, o lugar de franqueador master. Ainda teve participação em alguns projetos da consultoria Booz Allen & Hamilton. Fora do país, nos Estados Unidos, Duda Melzer trabalhou como analista sênior da empresa Delphi Corporation e foi diretor-geral da Box Top Media em Nova York.

 

Dentro do Grupo RBS, ele iniciou suas atividades em 2004, atuando como diretor-geral no segmento de mercado nacional, depois atuando no ano de 2008 como vice-presidente do desenvolvimento de negócios e do mercado, e a partir do ano de 2010, atuou como vice-presidente executivo do Grupo RBS. Foi no ano de 2012 que ele passou a ocupar o cargo principal de presidente executivo do Grupo RBS, a posição de sucessão de seu tio Nelson Pacheco Sirotsky. Em 2016, tornou-se presidente do conselho de administração e presidente do Grupo RBS.

 

O Grupo RBS foi fundado em 31 de agosto de 1957 por Maurício Sirotsky Sobrinho – avô de Duda Melzer. A empresa é um conjunto de mídia brasileira. Seu segmento de trabalho é com conteúdo de jornalismo, de entretenimento e conteúdo de serviços, atuando via emissoras de rádio, canais de televisão e portais de internet. Possuem dentro da TV aberta 12 emissoras afiliadas a Rede Globo, no rádio 15 emissoras e 3 jornais. A empresa trabalha também com auxílio da empresa e.Bricks Digital, que é formada por empresas que atuam na área de tecnologia.

 

O empresário, durante a gestão do Grupo RBS, trouxe reconhecimento para empresa que ficou entre as três empresas, no país, de mídia e internet que geraram mais valor em 2014, ao lado de grandes empresas como Globo e Google. O Grupo RBS ficou entre as 10 empresas que mais inovaram no Brasil na pesquisa feita pela revista Info.

 

Duda Melzer ainda soma vários outros prêmios concedidos através de seu trabalho e dedicação, sendo os principais: Destaque Profissional em 2009 da ABP – Associação Brasileira de Propaganda pela categoria Executivo de Veículo, Prêmio Empresário de Comunicação no ano de 2013 durante a semana ARQ de Comunicação, Prêmio Empreendedor do ano de 2015 (Ernst e Young) pela categoria Family Business, Prêmio Mérito em Administração dentro do setor privado no ano de 2015, entre outros. Além de todo o trabalho que Duda Melzer realiza, ele ainda atua com ajuda a entidades como membro de conselho, sendo alguns deles: CENP – Conselho Executivo das Normas-Padrão, Conar – Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitaria, Conselho da Fundação Iberê Camargo e Conselho da Bienal do Mercosul.

 

Eduardo Sirotsky Melzer, divide seu tempo com as empresas a qual presidência e administra, com sua relação empreendedora em incentivar mais pessoas em suas palestras e com o auxílio que presta a entidades.

Mesentério – novo “velho” órgão descoberto e reclassificado

Nos idos de 1500, Leonardo da Vinci, escritor, anatomista e desenhista, entre outros, em seu extremamente avançado – e ilegal – para a época estudo do corpo humano, “descobriu”, em suas explorações, uma dobra de peritônio – uma membrana que recobre e liga a cavidade abdominal e as vísceras abdominais, além de conter vasos sanguíneos e nervos –, mas a descoberta terminou por isso mesmo. Em 1885, um cirurgião britânico, Sir Frederick Treves, classificou anatomicamente o mesentério como um simples tecido de sustentação, fragmentado entre as diferentes partes do intestino e de presença não-obrigatória na vida adulta. O anatomista austríaco Carl Toldt, no entanto, dez anos antes, havia descrito que todas as porções do mesocólon – parte do mesentério que reveste o intestino grosso – permaneciam na vida adulta, mas seu estudo não se popularizou no meio científico, então a versão de Sir Frederick Treves acabou por difundir-se e, assim, foi ensinada nas escolas de medicina do mundo todo.

Até agora. O pesquisador doutor John Coffey e uma grande equipe da Universidade de Limerick, na Irlanda, estão trabalhando no tema, para verificar a veracidade de tal informação, já há alguns anos. Em 2012, dr. John e sua equipe mostraram os resultados de sua pesquisa de microscopia eletrônica, sugerindo que o mesentério tinha uma estrutura contínua, um dos parâmetros necessários para a caracterização de um órgão. Então, voltaram às bancadas, e, no fim de 2016, após cerca de seis anos de estudo, a equipe concluiu que o mesentério é, sim, um órgão independente no corpo humano, e não apenas uma estrutura de ligação no abdome. A descoberta do “novo” órgão foi publicada no The Lancet Gastroenterology & Hepatology, uma revista cientifica internacionalmente prestigiada.

A descoberta pode, numa análise superficial, parecer trivial e sem muita importância prática além de causar uma alteração nos livros e no ensino de anatomia ao redor do mundo. Uma análise mais cautelosa, no entanto, revela que a alteração da classificação do mesentério vai muito além disso: uma vez que agora ele é definido como órgão, prevê-se um aumento no número de grupos de pesquisa, em grandes centros de referência ao redor do mundo, dedicados ao destrinchamento das estruturas e funções do mesentério – sabe-se que há nervos, vasos sanguíneos e linfáticos e tecido de sustentação, mas não se conhece muito a fundo as funções endócrinas e nervosas do órgão, por exemplo – , bem como dedicados às doenças relacionadas a ele, como a obesidade, o diabetes tipo II e a doença de Crohn, por exemplo. Além disso, pode-se conhecer mais a fundo as doenças que afetam diretamente o mesentério, como os problemas congênitos de não rotação do órgão, por exemplo.

 

A agência 100% brasileira de Claudio Loureiro

A agência Heads Propaganda, que tem Claudio Loureiro como CEO e fundador, está no mercado a mais de 25 anos, com uma credibilidade sempre em alta e com os produtos criativos que conquistaram o mercado Brasileiro. Mantendo seu capital 100% no Brasil, a agência já engatou vários trabalhos nacionais, dentre eles a campanha publicitária para a academia de Gustavo Borges, medalhista olímpico, bem como as negociações para que uma das produções da Broadway fosse feita aqui no Brasil.

 

Claudio Loureiro estudou Direito na Universidade Pontificia no Paraná, mas com espírito de executivo da publicidade, criou uma das maiores agência de publicidade do Brasil. Em 1997, ganhou o prêmio como melhor colunista de publicidade do corrente ano. Trouxe para o Brasil, em 2010, as negociações com Woody Allem, para fazer suas filmagens no Rio de Janeiro, tornando-se produtor da Broadway musical. Além disso, Claudio Loureiro ganhou o prêmio em 2013, na categoria “Responsabilidade Social” oferecida pela criação CRPcom. Esse prêmio é voltado para o reconhecimento e valorização dos profissionais da propaganda, premiando as melhores publicidades que circularam nos meios de comunicação da Gazeta do Povo, da 98 FM, da RCP, da Tribuna,do Paraná online e do mundo livre FM.

A empresa que começou em Curitiba e hoje tem escritórios nas cidades do Rio de Janeiro, Brasilia e São Paulo. Foi a empresa de propaganda que mais cresceu, entre as 50 empresas de propaganda em 2013. Em 2015, a empresa criou o Conselho Consultivo formado por Amaury Olsen (ex-presidente da empresa Tigre Tubos e Conexões), Líbano Barroso (ex-presidente da TAM e atual vice-presidente do GPA) e Luiz Fernando Giorgio (ex-presidentes da Hay no Brasil e conhecido consultor de recursos Humanos). O objetivo do conselho é colocar a agência em uma posição estratégica além de ter o papel de auxiliar as consultas sobre assuntos importantes.

A Heads propaganda, realizou campanhas como a feita para a academia de Alexandre Borges, que é um medalhista olímpico. A campanha consiste na ideia de que é possível comer mais, e mesmo assim ter um corpo saudável. Além dessa campanha a agência também emplacou outras como a da empresa PIC-me (empresa do ramo alimentício, voltada para sachê com purê de frutas) que também trabalha com o estilo saudável de vida.

Atualmente, Claudio Loureiro é CEO e criador da agência Heads, que se destaca pela sua criatividade e por deter 100% do seu capital no Brasil. O que torna a agência de 100% brasileira é a garra de seu criador e CEO em investir e trazer investimentos para o Brasil, o exemplo mais nítido foi a vinda do espetáculo da Broadway para o nosso território, além disso a agência não mede esforços para tornar as propagandas das empresas nacionais uma das melhores do pais. A agência de Claudio Loureiro tem clientes renomados como a Unimed, a Caixa Econômica Federal, a Boticário, a Petrobras, Arbor dentre outros clientes, que confiam o nome de suas empresas nas mãos desse grande empresário e de sua agência que podemos considerar 100% Brasileira.

 

 

Fiocruz tenta esclarecer confusão da tríade de doenças causadas por mosquito Aedes aegypti

O ano de 2017 já começou causando preocupações na área de saudade pública. Tudo porque, para a Fundação Oswaldo Cruz, mais conhecida como Fiocruz, a previsão é de que se proliferem os “mosquitos da dengue” (Aedes aegypti), com a diferença de ser, dessa vez, a doença chikungunya de maior incidência dessa tríade. Mas o problema não é só esse, não. É que não bastarão apenas os esforços de combate e tratamento, pois um grande problema também será o diagnóstico.

Essa preocupação se dá porque, apesar de transmitidas pelo mesmo mosquito, cada doença dessa tríade exige um tratamento diferente. Assim sendo, também termina por ser necessária uma capacitação para os profissionais de saúde, que deverão identificar com qual das três está o paciente, sob o risco de ser um equívoco fatal, inclusive. Por isso mesmo, a Fiocruz diz já ter proposto ao Ministério da Saúde a realização de um curso do tipo, que se encontra em estudo de viabilidade. Com a finalidade de capacitar esses profissionais de saúde, sobre as especificidades de cada uma das doenças, então resultaria deles conseguirem melhor identificar as diferenças entre elas.

O destaque, ao que tudo indica, dentre a referida tríade de doenças, ficará para a chikungunya mesmo, neste ano. E o pior é que os casos dela podem, inclusive, superar os da já conhecida dengue e da zika, que ficou tão temida devido aos casos já tão explorados de bebês nascendo com microcefalia, cujas as mães tinham adquirido zika tempos antes. Mas, além disso tudo, há também a preocupação para que não se torne crônica, e por isso, é indispensável que os sintomas da chikungunya não se prolonguem por mais de 15 dias. Ocorrendo, no entanto, prevê-se que as dores nas articulações durarão por dois anos ou mais.

Nesse caso, o tratamento não é dos mais inesperados, porém. Ele resume-se a, além do repouso absoluto de, no mínimo, 15 dias, ingerir analgésicos, com o fim de conter as dores, assim reduzindo a possibilidade de que evolua para um quadro crônico, como já dito. E fica claro, dito isso, que há também similaridades desse tratamento como o que é dado aos pacientes com dengue, no entanto, igualá-los seria trágico.

O tratamento de quem está com chikungunya não tem a prioridade da hidratação, como seria no caso de dengue. Ademais, é preciso destacar que, enquanto a dengue pode matar, a zika causa pouco mal às pessoas em geral, excluídas as gestantes, mas que a chikungunya é mais intensa, não chegando a matar, mas podendo incapacitar por um longo período. Sem contar que, dentre elas, é a que menos se propagou por enquanto, estando a maior parte da população sem imunidade ao vírus, por consequência. E é por todas essas questões, que se precisa conhecer melhor essa ameaça, para que as cidades possam evitar essas epidemias que se anunciam, como, por exemplo, visitando o site da Rede Dengue, da própria Fiocruz, de onde sairá mais bem informa. Não à toa, dono primeiro dia do ano, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, decretou publicamente estado de alerta na cidade. O risco está muito grande de fato, logo medidas precisarão ser tomadas.

Depressão: sintomas, diagnóstico e tratamento

O número de pessoas diagnosticadas com depressão vem crescendo ao longo dos últimos anos. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 121 milhões de pessoas, ao redor do mundo, sofrem desta patologia. Já no Brasil, segundo o Ministério da Saúde, estima-se que a depressão atinja 17 milhões de pessoas, o que representa cerca de 8,5% da população do país.
Segundo especialistas, a tendência é que estes índices aumentem ainda mais. A OMS projeta a possibilidade de que, em 2030, os índices de depressão superem os de câncer. Para 2020, acredita-se que a doença seja a segunda maior causa de incapacitação no mundo.
A depressão, apesar de não deixar marcas aparentes, pode matar. Um estudo realizado pela psiquiatra Susan Albran, da Universidade da Carolina do Norte, situada nos EUA (Estados Unidos da América) informa que a taxa de mortalidade vinculada à doença ultrapassa os 30%.
Mas e qual a relação entre a depressão e a morte? Pessoas depressivas frequentemente têm pensamentos negativos, sentimento de desesperança e uma visão negativa de si, dos outros e do futuro. Estes fatores têm forte influência na ocorrência de suicídio, o que explica o alto índice de mortalidade referente ao grupo de pessoas que sofrem com a doença.

Sintomas, diagnóstico e tratamento da depressão
Uma das maiores dúvidas com relação à depressão é: quais são as causas da doença? São várias. Fatores como desemprego, problemas familiares, perdas significativas, predisposição genética podem influenciar o desencadeamento da doença.
Como podemos identificá-la? Segundo o DSM V (Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais), os principais sintomas que indicam a presença da doença são os seguintes:
-humor deprimido;
-perda de interesse em atividades antes prazerosas;
-negatividade / pessimismo;
-baixa (ou nenhuma) autoestima;
-alterações no sono e/ou apetite;
-Fadiga ou cansaço;
-baixa concentração.
É importante considerar, porém, que o diagnóstico precisa ser feito por um profissional especializado, como, por exemplo, um psiquiatra ou psicólogo.
Depois do diagnóstico, é necessário realizar o tratamento. Tradicionalmente, ele ocorre com base em medicação aliada a acompanhamento psicológico. Existem pessoas que acrescentam, ainda, a prática de exercícios físicos no decorrer do tratamento.
O acompanhamento psicológico ou, ainda, psicoterapia, como o nome sugere, é realizado por um profissional formado em psicologia. Neste processo, o psicólogo e o paciente trabalham juntos em busca de vários objetivos, dentre eles:
-identificar os fatores que contribuem com a prevalência da depressão;
-identificar emoções, pensamentos e comportamentos desadaptativos que influenciam os sintomas da doença;
-Dar novo significado e/ou reformular estas emoções, pensamentos e comportamentos;
-Proporcionar ao paciente o autoconhecimento e também o conhecimento sobre a doença, seus sintomas e formas de enfrentá-la.
Na maioria dos casos, infelizmente, as pessoas que sofrem com a depressão precisam buscar tratamentos particulares, pois o SUS (Sistema Único de Saúde) brasileiro e a saúde pública, em um contexto geral, ainda carecem de ações voltadas à prevenção e tratamento dessa doença que vem incapacitando milhares de pessoas pelo mundo afora. Políticas públicas precisam ser pensadas para atender a esta particularidade tão presente na vida da população brasileira e mundial.