10 mitos e verdades sobre alergia respiratória

Imagem relacionada

A alergia respiratória atinge pessoas do mundo inteiro. E não importa a época do ano, ela está sempre presente com seus sintomas indesejáveis. Crianças, adultos e idosos, todos sofrem com a doença, que como podemos ver é bem democrática

De acordo com a Organização Mundial da Alergia, 40% da população mundial têm algum tipo de alergia — ela ainda prevê que até 2025 o número de pessoas asmáticas chegue a 400 milhões. No Brasil, a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai) diz que a alergia no país afeta cerca de 30% da população.

Sendo assim, resolvemos elucidar algumas dúvidas que muitas pessoas têm sobre a doença. Veja, a seguir, o que é mito ou verdade quando falamos em alergia respiratória!

  1. Bombinhas fazem mal ao coração

Mito. Elas, na verdade, são broncodilatadores que relaxam os músculos e melhoram a passagem do ar, facilitando a respiração.

  1. A alergia não tem cura

Verdade. No entanto, ela é controlável. Com tratamentos adequados é possível ter um excelente controle da doença.

  1. Gestantes não podem tomar medicamentos para asma ou rinite

Mito. A gestante pode ingerir remédios, desde que possuam indicação médica.

  1. Ar-condicionado faz mal a alérgicos

Mito. Pessoas que possuam alergia não devem ficar expostas a ambientes com excesso de poeira. O ar-condicionado por si só acumula muita poeira e pode sim prejudicar os mais alérgicos, se não for submetido a limpezas frequentes.

  1. Todo antialérgico provoca sono

Mito. Apenas os anti-histamínicos mais antigos, de primeira geração, provocam sono. Os atuais considerados de última geração não provocam sonolência, tampouco aumento de apetite.

  1. Produtos de limpeza provocam alergias

Verdade. Produtos de limpeza geralmente contém vários itens em sua fórmula e o organismo pode ter uma reação alérgica a algum de seus componentes.

  1. Crise alérgica pode levar à morte

Verdade. Uma crise asmática, por exemplo, se não houver os devidos cuidados pode sim levar determinada pessoa à morte.

  1. O cigarro agrava a alergia

Verdade. A fumaça irrita as vias aéreas, em especial as do alérgico, que já conta com uma mucosa inflamada. Bebês de grávidas fumantes estão mais suscetíveis à doenças respiratórias e asma.

  1. O frio provoca crises

Verdade. A mudança da temperatura tende a irritar o aparelho respiratório de pessoas alérgicas. Além disso, em dias frios a tendência é que fiquemos em ambientes fechados — que contribuem para agravar as crises.

  1. Vacinas antialérgicas fortalecem o sistema imunológico

Verdade. O tratamento envolve três pilares, que são medicação, controle do ambiente e imunoterapia. As vacinas têm por objetivo frear as reações exageradas do organismo. Vale lembrar que tratar a rinite por imunoterapia pode evitar o surgimento da asma.

E aí, tirou suas dúvidas sobre alergia respiratória? Deixe, então, um comentário e compartilhe com a gente sua opinião sobre o assunto!

Os 5 alimentos que mais engordam e fazem mal à saúde

Quem quer perder peso sabe que a primeira regra é cuidar da alimentação. Atualmente, muitos métodos são ensinados na internet para auxiliar na guerra contra a balança. O problema é que muita informação é disseminada de forma errada, fazendo com que as pessoas fiquem iludidas ou emagreçam com um grande sacrifício, a saúde. Não existe receita milagrosa, ou fórmula correta, cada pessoa tem um tipo de corpo que irá atuar de uma maneira única, por isso nenhuma dieta milagrosa terá os mesmos resultados em todas as pessoas.

O que verdadeiramente funciona, comprovado pela ciência e por grandes médicos, é cortar de vez certos alimentos e se dedicar a uma vida saudável. Deixar de comer certos alimentos deve ser encarado como uma mudança para uma vida mais saudável, não apenas para emagrecer. Se você quer perder peso e levar uma vida mais saudável, de adeus para esses alimentos:

1- Refrigerante e bebidas açucaradas

O refrigerante não é um problema apenas para quem está acima do peso. Além de conter um alto teor de açúcar, o refrigerante contém diversos aditivos químicos que enfraquecem os órgãos e pioram o funcionamento do corpo. Por isso, o refrigerante é considerado um antinutriente, em vez de nutrir o corpo, ele acaba roubando nutrientes importantes como o cálcio e alterando o pH natural do corpo.

Mas o refrigerante não é o único vilão, bebidas açucaradas como o suco de caixinha que muitas vezes é oferecido para as crianças, também devem ser totalmente eliminados da dieta. No geral, toda bebida que tiver adição de açúcar deve ser evitada por quem quer perder peso.

2- Glúten

O glúten não faz mal apenas para quem é intolerante, novas pesquisas já revelaram que essa proteína de difícil digestão está associada a diversas doenças como a depressão, Mal de Alzheimer, e obesidade. Além de proporcionar o aumento de peso, os alimentos que contém glúten causam alterações no cérebro, desencadeando uma série de problemas fisiológicos e neurológicos.

Corte tudo que tiver glúten da sua alimentação, pizza, macarrão, biscoitos, salgados e os pães. Hoje em dia existem diversas opções que são mais saudáveis e livres de glúten, como o pão de tapioca que é nutritivo e não tem glúten.

3- Leite de origem animal

O ser humano é o único animal no planeta que bebê leite depois de adulto e que consome o leite de outro animal. Médicos e pesquisadores já revelaram que o leite de vaca, ou de qualquer outro animal, não faz efeito nos níveis de cálcio que possuímos em nosso corpo. Além disso, o leite industrializado passa por diversos processos químicos e contém diversos aditivos que não fazem bem para a saúde. Sem contar que o leite de origem animal possui uma alta concentração de gorduras, sendo assim ele se torna um alimento apenas gorduroso e pouco nutritivo.

4- Industrializados

Corpo ideal e saúde não combinam com produtos industrializados. Os alimentos industrializados requerem uma alta concentração de sódio para não estragarem nas prateleiras dos mercados. O sódio em excesso provoca uma série de problemas para a saúde, o principal deles é a hipertensão. No caso da estética do corpo, o sódio é o principal responsável por reter líquidos, fazendo com que o corpo fique inchado.

Os produtos industrializados não possuem grandes quantidades de nutrientes, por isso é uma opção péssima para quem quer levar uma vida saudável. Por exemplo, a batata congelada que encontramos no mercado contém uma série de componentes químicos, além do sódio e da alta concentração de gordura. Mas se a batata frita for feita em casa com uma gordura de qualidade, ela se torna muito mais saudável.

5- Óleo de cozinha

Os óleos tradicionais de cozinha, como o óleo de soja, são extremamente maléficos para a saúde. Nessa lista entra os óleos de: girassol, milho e canola. Todos apresentam níveis cancerígenos quando são aquecidos. Isso foi comprovado por pesquisas, que descobriram que esses tipos de gorduras representam graves riscos à saúde humana. Além de serem cancerígenos, esses óleos são feitos com alimentos transgênicos e ainda são responsáveis por diversas doenças cardíacas, como a arteriosclerose. Uma ótima opção é consumir gorduras resistentes ao aquecimento, como o azeite de dendê e o óleo de coco.

 

Conheça os benefícios da meditação no combate ao estresse

Image result for meditar

Atualmente, não restam dúvidas de que um dos principais benefícios da meditação é a sua capacidade de  reduzir os níveis de cortisol, o hormônio responsável pelo estresse. De acordo com um estudo realizado em parceria entre o Hospital Israelita Albert Einstein, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e o Instituto Appana Mind, os pesquisadores descobriram que setenta e cindo minutos de ioga e meditação, quando praticada três vezes por semana durante um período de dois meses, pode diminuir em até 50% a concentração de cortisol em pessoas que anteriormente possuíam um nível elevado de estresse.

Além de aumentar a sensação de conforto e bem-estar consigo mesmo, a diminuição dos níveis de estresse também causa outros benefícios ao organismo, como a redução das chances de se desenvolver problemas de coração, obesidade e doenças como diabetes, depressão e Alzheimer, que são patologias que causam milhões de mortes ao ano no mundo.

O hormônio cortisol funciona no organismo como uma espécie de alarme, que ao se deparar com situações de risco, transporta ao organismo a mensagem de que é preciso estar preparado para uma emergência. Assim, várias células passar a dar prioridade ao gasto de energia imediato, o que é útil, por exemplo, quando é necessário fugir ou sair correndo para salvar a própria vida.

Sendo assim, quando o nível de cortisol é alto demais, as células passam mais tempo do que deveriam se preparando para uma reação física iminente, como lutar ou correr. Ao mesmo tempo, outras ameaças como bactérias, vírus e células que não estão funcionando devidamente acabam ficando de lado. Desse modo, as pessoas muito estressadas ficam mais propensas a desenvolverem problemas que poderiam ser facilmente combatidos pelo organismo caso este não estivesse ocupado demais lidando com o elevado nível de cortisol no sangue.

Nesse cenário, a meditação funciona como uma importante aliada, pois ao respirar fundo e se esforçar em sintonizar a mente no presente, é possível desenvolver uma técnica capaz de acalmar o organismo e combater o estresse.

Segundo um estudo feito na Universidade de Carnegie Mellon, a meditação ainda tem o potencial de reduzir processos inflamatórios, que também ocasionam em vários tipos de doenças. Nesse experimento, um grupo de desempregados com alto nível de estresse foram submetidos a vários exames e depois direcionados a um retiro de três dias no qual aprenderem diversas técnicas de meditação.

Após permanecerem alguns dias nesse retiro, novos exames mostraram que a meditação conseguiu trazer mudanças claras ao cérebro. Além de melhorar a comunicação entre as várias áreas do cérebro relacionadas ao foco e à calma, como o córtex pré-frontal dorsolateral, exames de sangue demonstraram que a prática da meditação amenizou os níveis de interleucina-6, um biomarcador que provoca inflamações e origina doenças cardíacas e câncer.

Entenda como o exercício físico pode melhorar sua vida sexual

Você provavelmente ouviu que o exercício feito regularmente pode reduzir o risco de doenças crônicas, como doenças cardíacas, diabetes ou osteoporose. Mas uma crescente quantidade de pesquisas mostra que também pode ter outro efeito mais surpreendente: melhorar sua vida sexual.

Nos homens, o exercício regular parece ser um Viagra natural: está associado a um menor risco de problemas eréteis. Em um estudo pequeno, homens sedentários de meia-idade designados para participar de um programa de exercícios vigorosos durante nove meses relataram que a atividade sexual mais frequente, melhorou a função sexual e proporcionou maior satisfação. Aqueles cujos níveis de aptidão aumentaram mais, viram as maiores melhorias em suas vidas sexuais.

Pesquisas realizadas com as mulheres revelaram que aquelas que são fisicamente ativas relatam maior desejo sexual, excitação e satisfação do que mulheres sedentárias. Em um experimento incomum, mulheres jovens que fizeram ciclos de exercícios intensos durante 20 minutos e observaram um filme erótico mostraram maior excitação sexual fisiológica (medida por um dispositivo que avalia o fluxo sanguíneo vaginal) do que indivíduos que não exercitaram antes de ver o filme.

O aumento do fluxo sanguíneo ajuda a explicar por que o exercício leva a uma melhor função sexual também nos homens. Uma autoimagem aprimorada do exercício também pode desempenhar um papel. Homens e mulheres que se exercitam podem ser mais propensos a se sentir sexualmente desejáveis, o que pode levar a uma melhora no desempenho sexual. Assim, maior força, flexibilidade e resistência que resultam do exercício, pode aumentar consideravelmente a atividade sexual.

Além disso, a atividade física – especialmente o treinamento de força – pode aumentar os níveis de testosterona, o que pode impulsionar o desejo sexual em homens e mulheres. No entanto, o excesso de treinamento pode ter o efeito oposto.

Um estudo recente descobriu que os homens que fazem exercícios muito vigorosos regularmente tendem a ter líbidos mais baixos. Embora esta seja uma preocupação potencial para os atletas de elite ou outros que se empolgam ao máximo sem uma recuperação adequada, não é algo que a maioria de nós precisa se preocupar.

Quanto ao efeito do sexo no exercício, a sabedoria convencional diz que a atividade sexual antes de uma competição reduz a agressão e a força. Como o treinador de Rocky Balboa colocou no filme Rocky: “As mulheres enfraquecem as pernas”.

Mas a pesquisa produziu pouco apoio para esta crença. Um estudo que envolveu ex-atletas do sexo masculino, mediu a força dos participantes na manhã seguinte ao ter feito sexo com suas esposas e repetiu o teste depois que os homens se abstiveram por, pelo menos, seis dias. Não houve diferenças nos resultados dos testes .

Da mesma forma, outro estudo em atletas masculinos descobriu que a atividade sexual não afetou o desempenho em um teste de força. No entanto, os sujeitos que tiveram relações sexuais duas horas antes do teste, apresentaram maior frequência cardíaca durante a recuperação pós-exercício.

 

Dor de garganta é mais comum no inverno, entenda o porquê

Resultado de imagem para dor de garganta

a famosa dor de garganta. Chamada de faringite infecciosa pelos médicos e especialistas no assunto, a dor de garganta é um sintoma clássico de infecção na faringe, que na maioria das vezes é causada por vírus e bactérias.

A doutora Renata Dutra de Moricz, disse: “Muitas vezes a infecção viral atinge também a região das amígdalas e é chamada de faringoamigdalite”. Segundo a especialista, esse tipo de infecção se torna mais comum no período de frio, por causa do ressecamento do ar. Com o ar seco e gelado, os microrganismos se proliferam melhor, fazendo com que as dores de garganta sejam mais comuns no outono e no inverno.

Outro fator dos períodos gelados do ano que implicam em um maior número de infecções de garganta, é a diminuição na temperatura, que faz com que a mucosa respiratória, assim como a imunidade das pessoas, fiquem prejudicadas. A diminuição da imunidade faz com que as bactérias e os vírus ataquem o corpo, causando infecções como a dor de garganta.

A exposição prolongada a ambientes com o ar gelado, como ar-condicionado, também é um fator que pode contribuir para a proliferação de certos microrganismos.

A especialista afirma: “A garganta tem cílios que funcionam como defesa do organismo”. “Quando a temperatura cai bruscamente, o movimento desses cílios diminui e a defesa do organismo fica enfraquecida”, explicou Renata.

O que fazer em caso de dor de garganta?

Existem tratamentos diferenciados para cada tipo de faringite ou de amigdalite. O tratamento dependerá primeiramente de uma análise prévia sobre o causador da infecção. A doutora Renata afirma: “Normalmente, a infecção bacteriana apresenta pus na faringe ou na amígdala”. A especialista revelou que se os sintomas forem esse, o médico pode optar por um tratamento a base de antibiótico conciliado com um analgésico para aliviar a dor.

No caso de uma infecção viral, a especialista afirma que os médicos só conseguem receitar remédios para tratar os sintomas ocasionados pelo vírus, como os analgésicos e anti-inflamatórios. Para esse caso é aconselhado que o paciente fique em repouso, pois assim ajudará o organismo a se livrar mais rapidamente do vírus.

Uma opção para quem está com dor de garganta é consumir pastilhas próprias para o alívio da dor. Elas são formuladas especificamente para anestesiar a região sensível da garganta, causando uma melhora nos sintomas da infecção. A especialista relata: “Esse tipo de pastilha é muito eficiente e simplesmente anestésica, que raramente tem efeito sobre a faringe”.

Além disso, uma opção mais saudável é consumir alguns tipos específicos de chá que ajudam a aliviar os sintomas de dor de garganta, assim como outros sintomas relacionados a gripe. Existem diversos tipos, alguns a base de gengibre, outros com canela, mas todos têm benefícios excelentes e o que é melhor, sem nenhuma contraindicação para a saúde.

Ansiedade? Síndrome do Pânico? Respire fundo e conheça a meditação

O mundo moderno está cada vez mais cheio de facilidades e tecnologias que nos conduzem a uma vida inundada pelo excesso de informações, comodismo e má alimentação. Tudo isto seguindo de mãos dadas a um imediatismo exacerbado que corrói nosso dia-a-dia.

Como resultado, estamos adoecendo com mais frequência e, sempre escravos da pressa, desenvolvemos fobias, síndromes e outros transtornos mentais que acometem o mundo moderno.

BRASIL: UM PAÍS DE ANSIOSOS?

Recentemente a OMS divulgou o resultado de um estudo que aponta o Brasil com o maior índice de pessoas sofrendo de ansiedade e o quinto em número de depressivos do mundo.

O dicionário Michaelis define ansiedade como: “Estado emocional frente a um futuro incerto e perigoso no qual um indivíduo se sente impotente e indefeso.”

Portanto, é justo afirmar que tal preocupação com um futuro incerto é concebido em uma mente inquieta. Sendo assim, muitas pessoas estão recorrendo a uma prática milenar para trazer a mente para calma, paciência, quietude e bem-estar, além dos medicamentos comumente receitados pelos especialistas.

SOBRE A MEDITAÇÃO

Incluída em Março de 2017 nos tratamentos oferecidos pelo SUS, a meditação vem ganhando muitos adeptos ao longo dos milênios de sua existência, tendo em vista que traz muitos benefícios para a saúde de quem a pratica.

Muito conhecida entre o Budismo e Yoga, a meditação tem como objetivo – entre outros – observar seus pensamentos, sua respiração, e focar sua mente no momento presente. Há diversas maneiras de se praticar e também diversas posturas para tal; da clássica posição de Lótus – para aqueles mais flexíveis – ou até mesmo simplesmente deitado; tudo depende do contexto que se apresenta o centro de estudos ou a religião a qual se relaciona o praticante.

BENEFÍCIOS COMPROVADOS

É fato que as religiões orientais desfrutam dos benefícios da meditação há quase três mil anos. Muito também foi questionado, pelos ocidentais, acerca de sua eficácia durante certo tempo.

Em 2013 a revista Veja publicou uma reportagem que mostrava comprovações científicas dos tantos benefícios de cuidar da mente. Entre tantos, podemos encontrar melhoria da qualidade do sono, redução do stress, da ansiedade, reforço do sistema imunológico, melhoria da concentração e tantos mais.

Portanto, se por acaso você está entre os milhões de brasileiros acometidos por algum transtorno de ansiedade, vale a pena experimentar alguma modalidade de meditação para conquistar uma melhor qualidade de vida.

 

 

 

 

Cranberry: saiba o que essa fruta poderosa pode fazer pela saúde

Image result for Cranberry: saiba o que essa fruta poderosa pode fazer pela saúde

Você conhece o cranberry? Já ouviu falar nessa fruta que está se tornando cada vez mais popular no Brasil?

Trata-se de uma frutinha vermelha originária dos EUA, que vem ganhando cada vez mais espaço, graças aos seus vários benefícios à saúde. Seu consumo pode fortalecer o sistema imunológico, contribuir com a saúde do coração e muito mais.

Quer saber mais sobre ela e quais as formas de consumo? Continue, então, com sua leitura e conheça as vantagens de incluir na sua dieta esse poderoso alimento. Acompanhe!

Como consumir essa fruta?

Você encontra a fruta em alguns supermercados in natura, bem como desidratada e em forma de sucos e geleias. Em farmácias, é encontrada em pó(que pode ser misturado à água ou suco) ou em comprimidos e cápsulas.

Propriedades nutricionais do cranberry

A fruta ganhou popularidade por possuir grandes quantidades de vitaminas C e K — que agem fortalecendo o sistema imunológico do organismo. Conta também com as vitaminas A e E, com o mineral manganês e, ainda, com muitos fitonutrientes que atuam combatendo e prevenindo algumas doenças e infecções.

Benefícios para a saúde

Confira a seguir alguns benefícios do cranberry à saúde:

Combate infecções no trato urinário

O cranberry conta com uma grande eficácia no combate a infecções urinárias. Graças às proantocianidinas, que agem combatendo a ação da bactéria “E. coli”, que provocam infecções. O consumo regular da fruta torna a urina mais ácida e dificulta o desenvolvimento da infecção.

Reduz riscos de doenças cardiovasculares

Devido aos seus altos índices de polifenóis, o cranberry age prevenindo o acúmulo de plaquetas. O consumo dessa fruta ajuda, graças as suas propriedades antioxidantes, a controlar os níveis do colesterol sérico — que considera os dois tipos de colesterol, o HDL e o LDL.

Acelera o metabolismo

Além de ser uma fruta rica em fibras, o cranberry é uma ótima fonte de antioxidantes. Ela age no metabolismo, tornado-o bem mais rápido e facilitando, dessa forma, a perda de peso.

Fortalece o sistema imunológico

O sistema imunológico ganha muito com o consumo do cranberrry, visto que a fruta é fonte rica em vitamina C, que é um poderoso antioxidante que combate os efeitos nocivos causados pelos radicais livres. O organismo torna-se mais forte e mais resistente a infecções.

Previne o câncer

O cranberry age também contra a prevenção do câncer, graças, mais uma vez, à presença das proantocianidinas. São substâncias que inibem o crescimento das células cancerosas, principalmente aquelas associadas aos cânceres de próstata e cólon.

Melhora a saúde bucal

As proantocianidinas beneficiam também a saúde bucal. Elas impedem que as bactérias se proliferem e causem problemas, como gengivites e cáries.

 

E você, o que achou deste post sobre os benefícios do cranberry? Viu como essa fruta é poderosa, capaz de proteger a saúde contra diversos males. É sempre bom incluir na nossa alimentação itens que só nos fazem bem e contribuem para uma saúde cada vez melhor!