Comprovação científica de Jorge Moll revela que bem ativa áreas do cérebro

Um estudo dirigido por Jorge Moll Neto, médico neurologista e presidente do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), juntamente com João Ascenso, psicólogo e doutorando do IDOR, comprovou que ações realizadas em favor ao próximo são responsáveis por ativação de determinadas áreas do cérebro. Isto é, através deste estudo a ciência foi capaz de evidenciar que praticar o bem leva satisfação não somente para quem é contemplado pelo ato, mas também para aquele que realiza a ação altruísta, independente do que seja.

Para chegar a esta conclusão, na pesquisa conduzida pela equipe de Jorge Moll Neto foi feito um experimento utilizando um equipamento de ressonância magnética para mapear os cérebros dos voluntários. Durante este mapeamento foi observado que os “centros de recompensas”, como são chamadas as regiões do cérebro acionadas por ações que remetem a sensação de prazer, eram ativados ao serem efetuadas doações para a caridade. De acordo com os resultados, a vivacidade apontada pela ativação cerebral no momento do altruísmo era equivalente à intensidade apresentada quando os próprios voluntários eram beneficiados com alguma coisa.

Também foi verificado que atitudes benevolentes com o próximo ativam a área septal e o córtex subgenual do cérebro. Estes dois locais são associados aos sentimentos de pertencimento e apego, os mesmos relacionados à união entre casais e aos cuidados que as mães têm com seus filhos. Jorge Moll Neto resumiu dizendo que quando um indivíduo age em favor de um princípio ou de uma causa relevante em seu ponto de vista, parte do complexo sistema cerebral, especificamente as áreas que passaram por grande evolução no decorrer dos milhões de anos para desenvolver laços de amizade e familiares, é ativado podendo trazer importantes benefícios à saúde.

O Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, dirigido por Jorge Moll Neto, é uma instituição sem fins lucrativos que tem como objetivo trabalhar para viabilizar a evolução na área científica e tecnológica da saúde. A Direção de Pesquisas da entidade atua nos campos de neurociência, oncologia, pediatria, medicina interna e medicina intensiva, desenvolvendo, sem abandonar a responsabilidade social, vários tipos de iniciativas nas áreas de estudos clínicos e de ensino.

A IDOR vem mantendo vínculos com várias instituições de ensino e pesquisas, tanto em território nacional quanto internacional. O Instituto também vem investindo cada vez mais em compromissos com programas de ensino. Atualmente, conta com seu próprio Programa de Doutorado em Ciências Médicas. Parcerias com Programas de Pós-graduação Stricto Sensu continuam sendo firmadas entre a entidade e Universidades públicas no Rio de Janeiro. A partir de 2010 o Instituto passou a trilhar seu caminho de maneira independente e em sua própria sede.

A Rede de Hospitais D’Or São Luiz, mantenedora do Instituto, foi criada por Jorge Moll Filho e é considerada a maior operadora independente de hospitais do país. Ao todo, a rede, com seus 35 hospitais e mais dois sob gestão (Hospital Israelita e da Criança), realiza por ano em média 220 mil cirurgias, 24,3 mil partos, 3,35 milhões de atendimentos emergenciais e 356 mil internações.